Elos Clube de Tavira

Novembro 09 2010

 

  

António Ramos Rosa

 

Nuvens

 

Encantei-me com as nuvens, como se fossem calmas

Locuções de um pensamento aberto. No vazio de tudo

Eram frontes do universo deslumbrantes.

Em silêncio via-as deslizar num gozo obscuro

E luminoso, tão suave na visão que se dilata.

 

Que clamor, que clamores mas em silêncio

Na brancura unânime! Um sopro do desejo

Que repousa no seio do movimento, que modela

As formas amorosas, os cavalos, os barcos

Com as cabeças e as proas na luz que é toda sonho.

 

Unificado olho as nuvens no seu suave dinamismo.

Sou mais que um corpo, sou um corpo que se eleva

Ao espaço inteiro, à luz ilimitada.

No gozo de ver num sono transparente

Navego em centro aberto, o olhar e o sonho.

 

(Volante Verde – 1986) in Antologia Poética, Selecção de Ana Paula Coutinho Mendes

 

___________________________

 

António Vítor Ramos Rosa (Faro, 17 de Outubro de 1924). Poeta e ensaísta. Viveu a sua juventude em Faro, onde estudou o secundário que não chegou a terminar.

Em 1958 publica no jornal «A Voz de Loulé» o poema "Os dias, sem matéria" e logo a seguir o seu primeiro livro «O Grito Claro», n.º 1 da colecção de poesia «A Palavra», editada em Faro, sob a direcção do também poeta Casimiro de Brito. Como Fernando Grade e outros, ambos protagonizam o movimento da moderna poesia portuguesa.

Ainda nesse ano inicia ARR a publicação da revista «Cadernos do Meio-Dia», mas em 1960 encerra a edição por ordem da polícia política. Em meados dos anos sessenta, Ramos Rosa radicou-se em Lisboa, para trabalhar na área comercial, que breve abandona para se dedicar inteiramente à poesia, desde logo publicando “Viagem Através Duma Nebulosa”.

É o poeta do presente absoluto, da «liberdade livre» e sobe todos os degraus da admiração europeia. A sua produção reflecte uma evolução do subjectivismo, em relação à objectividade, abarcando variadas tendências, desde algumas formas experimentais a um certo neobarroquismo.

Nos seus textos está ente presente uma reflexão sobre o próprio acto da escrita e a natureza da criação poética, a questão do dizível e do indizível.

Tido como um dos grandes poetas portugueses contemporâneos, tem recebido numerosos prémios nacionais e estrangeiros, entre os quais o Prémio Pessoa, em 1988.

Ramos Rosa, também tradutor, escreveu cerca de sessenta volumes de poesia. Em 2001 lançou “Antologia Poética”, com prefácio e selecção de Ana Paula Coutinho Mendes O seu nome foi dado à Biblioteca Municipal de Faro.

 

 Luís de Melo e Horta

Presidenta da Mesa da Assembleia Geral do

Elos Clube de Tavira

publicado por Henrique Salles da Fonseca às 14:31

mais sobre mim
Novembro 2010
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9

14




pesquisar
 
subscrever feeds
blogs SAPO