Elos Clube de Tavira

Março 09 2011

 Tavira tem dois rios.

 

 

 Um é o Séqua, que nasce nas serranias de Alportel, a escassos vinte quilómetros, e desce mansamente pelo Vale da Asseca até atingir a cidade.


Depois, em pleno centro urbano, alia-se ao Gilão, que nasce ali mesmo, perto da Ponte Romana. Depois, seguem juntos até ao mar, passando ainda pela Ria Formosa, alimentando, nas sedimentações que traz da serra, o viveiro que ecológico que ali se desenvolve.


Esta cidade descobre-se com uma visita. Demorada para que se colham lições da sua História, das vinte e duas igrejas católicas que o espaço urbano contém, do testemunho romano, do castelo muçulmano ou dos vestígios fenícios.


Não deixará, o visitante interessado de cirandar, ainda, pelos arredores até onde a tocam a toalha líquida da Ria Formosa ou do Oceano. Águas que, na sua mansidão, conjugam o rutilante sol com o doirado e finura dos areais, numa cooperação cujos resultados são créditos imediatos para quem escolhe estas paragens para retemperar forças.

 

Tavira espera o ano inteiro pelos seus visitantes. E enquanto espera, vai transmitindo as belas imagens que garantem a sua idoneidade turística. Sem pressas nem atropelos, no convívio do Passado com o Presente e na confiança de um Futuro que tanto é já amanhã como nos dias seguintes.

 

Tavira espera, por si!

 

Luís de Melo e Horta

 

 

 

___________________________

As fotos correspondem à Ponte Romana, à Igreja de Santa Maria do Castelo e à queda de Água "Moínhos da Rocha, no Vale da Asseca.

publicado por Elos Clube de Tavira às 14:52

De:

Data:
6 de Março de 2013 às 17:12


mais sobre mim
Março 2011
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11
12

13
14
15
16
17
18
19

20
21
22
23
24
25
26

27
28
29
30
31


pesquisar
 
blogs SAPO