Elos Clube de Tavira

Agosto 30 2010

 

 

Se me quiseres conhecer,

Estuda com olhos de bem ver

Esse pedaço de pau preto

Que um desconhecido irmão maconde

De mãos inspiradas

Talhou e trabalhou em terras distantes lá do norte.

 

Ah! Essa sou eu: órbitas vazias

no desespero de possuir

a vida boca rasgada em ferida de angustia,

mãos enormes, espalmadas,

erguendo-se em jeito de quem implora e ameaça,

corpo tatuado feridas visíveis e invisíveis

pelos duros chicotes da escravatura…

torturada e magnífica altiva e mística,

africa da cabeça aos pés,

– Ah, essa sou eu! Se quiseres compreender-me

Vem debruçar-te sobre a minha alma de africa,

Nos gemidos dos negros no cais

Nos batuques frenéticos do muchopes

Na rebeldia dos machanganas

Na estranha melodia se evolando

Duma canção nativa noite dentro

E nada mais me perguntes,

Se é que me queres conhecer…

Que não sou mais que um búzio de carne

Onde a revolta de africa congelou

Seu grito inchado de esperança.

 

Noémia de Souza / Moçambique 1958

publicado por Henrique Salles da Fonseca às 10:37
Tags:

RECEBIDO POR E-MAIL:

Como todas estas sensibilidades parecem agora distantes, todas em redor das mesmas plangências, dos mesmos motivos de dor, de um patrioteirismo fértil em insinuações e imagens sentidas contra o opressor explorador! Será que eram absolutamente sinceras? O certo é que rendem mais fama e proventos!
Berta Brás

Noémia de Souza nasceu na Catembe (para quem não conheça Lourenço Marques/Maputo, é assim como Cacilhas relativamente a Lisboa e Niterói relativamente ao Rio de Janeiro), e divagou pelo Brasil, França, etc. Mas quando chegou a hora da verdade, aconchegou-se em Portugal e morreu em Cascais.
Eles falam, falam, falam... mas afinal é a nós que voluntariamente entregam as almas.
Fazem assim muito bem e nós gostamos que assim seja!
Hoje, passados quase 40 anos das Independências, já perceberam que nós estávamos lá para viver deixando viver, o que não terá sido exactamente o que fez quem nos sucedeu no Poder.
Creio - apesar das alfinetadas desta literatura histórica - que a expressão africana lusófona não pode deixar de ser divulgada pois é inequívoca parte da Cultura Lusíada e o Elos propõe-se congregar não só os lusófonos passados e actuais mas também aqueles que já não falam português e que hão-de voltar a fazê-lo. Divulgar a obra dos que viveram em português, é um modo de nos aproximarmos.
Continuemos...
Henrique Salles da Fonseca

RECEBIDO POR E-MAIL:

"Pois assim se fazem as cousas". Era o "refrão" aposto por "Pero Marques" à proposta da "Inês Pereira", às cavalitas do marido e dizendo: "Marido, cuco me levades! E mais duas lousas!" Nós somos os cucos. Prestáveis.
Berta Brás

mais sobre mim
Agosto 2010
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9


25
26



pesquisar
 
blogs SAPO