Elos Clube de Tavira

Julho 23 2010

 

 Rugendas: Derrubada de uma floresta

Fonte: Wikipedia

 

 

 

Em tempos passados, o centro-oeste brasileiro exemplo de prosperidade e de auto-sustentabilidade, destaque na economia nacional, foi palco de conflitos entre homens que procuravam novas terras para viver e índios aguerridos, senhores daquele espaço. Nas disputas entravam também negros aquilombados, padres gananciosos, aventureiros desassombrados, facínoras, fugitivos da lei, “mulheres de vida fácil”, todos à procura oportunidades e riqueza.

 

As sesmarias distribuídas pela política pombalina, como premio ou a quem as dispusesse desbravá-las, custaram a ser ocupadas. Dificultavam o intento aqueles que aterrorizavam os caminhos das minas e as tentativas de estabelecimento dos novos donos das datas.

 

 Área de passagem, pontilhada por aldeamentos indígenas e quilombos que, destruídos pelos militares e bandeirantes contratados, depois de muitos anos de ferrenhas lutas, deram lugar a arraiais e mais tarde a cidades.

 

Na maioria das vezes, os pioneiros chegavam com a família. No início, depois que se instalavam, chamavam os irmãos, cunhados, parentes e amigos e com eles dividiam as terras e os trabalhos. Assim conseguiam sobreviver. Abriram clareiras nas matas cerradas, construíram casas, formaram pastos e plantaram para a subsistência. Os fazendeiros mais abastados deram terreno para a construção de igrejas. Em volta delas apareceram os cemitérios, ruas de terra batida, moradias e pequenas lojas de comércio e delegacias. Com a migração (nacional e estrangeira) e o passar do tempo chegaram as modernidades; portos fluviais, estações, ferroviária e rodoviária, escolas, câmara de deputados, hospitais, até cinemas. Os coronéis, ricos fazendeiros que influíam na segurança, economia e política da região, tinham autoridade conferida pelo governo. Nas vindas à cidade, construíam palacetes, participavam das festividades, traziam os filhos para a escola, faziam compras de elementos industrializados e importados, comercializavam gado e produtos artesanais. As cidades cresciam, mas era ainda a fazenda a base das suas vidas. Isso se inverteu, à medida que as necessidades mudaram com o evoluir dos tempos.

 

Em 1808, quando a Corte portuguesa chegou ao Rio de Janeiro, cansada e faminta, quem abasteceu de carne a cidade carioca foi principalmente o gado que vinha de Minas Gerais. Conta ainda a história, como facto pitoresco que, à falta de moradias, o príncipe regente mandou que se dispusessem das melhores casas para a nobreza. Para tal, as escolhidas tinham as letras P.R. (propriedade real) colocadas na porta para indicar que os moradores teriam que sair para dar lugar aos recém-chegados do reino de Portugal. Os cariocas logo interpretaram jocosamente como Ponha-se na Rua!

 

Naquela ocasião, a população da cidade triplicou de repente. A solução para muitos desses chegados e deslocados foi migrar para outras bandas com seus familiares e escravos, para tentarem novas fontes de renda. Com o fortalecimento do comércio, desenvolvimento de lavouras, pecuária e usinas, o interior ganhou um sopro civilizacional, onde surgiram ricas famílias com ares de nobreza, agora interiorana.

 

Mas se o isolamento – motivado pelas grandes distancia e instigado pela ancestral política de segredo da Coroa, no intuito de esconder as riquezas brasileiras à cobiça do estrangeiro – facilitou a impunidade e despotismo dos primeiros mineiros, também propiciou ao aparecimento de uma nova sociedade, com costumes arraigados, fundamentada no poder patriarcal dos grandes latifundiários, homens que fizeram daquele espaço seus reinos.

 

 

Foto: Donato Rispoli Borges

Livro: Memórias de Conquista

 

Muitas são as histórias que se ouvem sobre a vida dos antepassados recentes dos actuais triangulinos. Através dos rios, das ferrovias e estradas, abertas pelos antigos bandeirantes, chegavam noticias e novidades dos centros urbanos importantes e iam as riquezas minerais e as rezes, tocadas pelos tropeiros. Nas épocas festivas, como no natal, eleições, comemorações cívicas e na chegada do circo, a cidade recebia visitantes. As bandas desfilavam e tocavam no coreto, alegrando a praça que se enchia de gente para congraçamento. As moças casadoiras, faceiras, em grupos, como andorinhas, passeavam entre as barraquinhas de quitandas (roscas, pão de queijo, biscoitos de polvilho, bolo de mandioca,...), ou caminhavam de num lado da rua, enquanto do outro os rapazes as observavam atentamente. Ao som da música, o “correio elegante” levava e trazia recados na tentativa de futuros compromissos. Às vezes, daí saía até casamentos.

 

Altas horas, depois da sessão de cinema, os enamorados faziam serenatas para as suas eleitas, recebendo, vez por outra, baldes de água fria atirada pela janela em pagamento!

 

Nas biroscas, desordeiros e valentões, com a “moringa” cheia de cachaça falavam alto, mediam forças e se desafiavam a “maneirar” – (luta de punhal ou de tiro onde os contendores têm as camisas amarradas entre si, e que só termina com a morte de um deles, ou dos dois).

 

Nos idos 1900, naquelas bandas do Triangulo era comum andar-se armado. Crimes encomendados, desafios, disputas amorosas, políticas e de terras, com frequência levavam a tiroteios, não raras vezes com mortes e evasão dos assassinos para paradeiros ignorados.

 

Na nossa região, ficou famoso o caso do filho do Barão de Jaguara, Manoel Pereira, por todos conhecido como Neca Pereira. Homem rijo, de princípios, abastado, influente, exímio atirador, despertava respeito e inveja. Era capaz de acertar com rapidez e precisão a boca de garrafas dispostas em fila, pelo gargalo. Praticava todos os dias e andava sempre com a sua Winchester papo – amarelo junto à perna, enfiada no cano da sua bota. Não se sabe ao certo, porque motivo e quem encomendou o seu extermínio. Para tal contrataram quatro pistoleiros goianos, profissionais competentes na arte de matar. Estes escolheram a noite em que ele pegou o trem de Rifania para Uberaba. Embora rico, preferia viajar na segunda classe, confortavelmente instalado nos bancos laterais, que lhe davam visibilidade geral do que se passava no ambiente. Ao parar na estação intermediária do Erial, um amigo o reconheceu e chamou-o pelo nome. Num relance, ao se virar, recebeu uma saraivada de balas dos bandidos. Mesmo mortalmente ferido, puxou da sua arma e fuzilou um a um, sem perder um tiro, os quatro. Quando chegou ao hospital, em Uberaba, exangue, já muito fraco, não suportou a cirurgia e morreu no acto operatório.

 

Assim era o Triangulo Mineiro do passado e que ainda se pode ver, agora com outras regras e nuances, num outro palco e com protagonistas dos tempos actuais...

 

Uberaba, 16/05/2010

 

 Maria Eduarda Fagundes

 

Dados históricos e fotos:

Memórias de Conquista (Donato Rispoli Borges);

Rugendas - Derrubada da floresta (Wikipédia)

A oeste das Minas ( Luis Augusto Bustamante Lourenço)

1080 ( Laurentino Gomes)

publicado por Henrique Salles da Fonseca às 11:19
Tags:

RECEBIDO POR E-MAIL:

Fez-se, afinal, com gente bem viva, como o texto demonstra, que derrubou e construiu, como em toda a parte do mundo, talvez com mais possibilidades numa área rica como isso aí...
Berta Brás
Henrique Salles da Fonseca a 24 de Julho de 2010 às 07:40

mais sobre mim
Julho 2010
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9





pesquisar
 
blogs SAPO