Elos Clube de Tavira

Março 17 2010

 

De fato, parece nome de remédio. Aliás, há um para o coração que se chama quase isso: é o exordil!
 
Afinal, o que é exórdio?
 
Em Oratória, é o nome técnico que se dá a uma das três partes da comunicação. Precisamente a primeira: o início; aquela que vai estabelecer contato com o interlocutor. Tal é sua importância, que foi definida por Cícero como sendo “a parte do discurso que prepara os ouvintes para bem receber a mensagem.” Não é sem razão, portanto, que muitas pessoas afirmam que: “A primeira impressão é a que marca”!
 
Como devemos proceder nesse momento crítico? Que tipo de saudação deve-se fazer?
 
Certo prefeito do interior “caprichava” no exórdio, ao falar em solenidades: fazia largas referências a cada um dos integrantes da mesa e, não satisfeito, fazia o mesmo para com pessoas que se achavam no plenário. Um dia, o governador fez-lhe uma observação:
 
– “Prefeito, você consome muito tempo fazendo tantas e tão longas saudações. Isso não é retórico! Faça o seguinte: estenda o cumprimento a todos os presentes em apenas duas citações. Por exemplo: se estiver em uma escola, saúde professores e alunos. Se for em um hospital, use os termos médicos e pacientes e assim por diante.”
 
Acatando a sugestão, o prefeito decidiu pô-la em prática na primeira oportunidade que surgisse. E foi, imaginem! na inauguração do cemitério da cidade! Sem se dar por achado, o alcaide saiu-se com esta:
 
– “Meus caros conterrâneos e... subterrâneos!
 
Tenho tido o desprazer de ouvir – até de quem eu não esperava – essa lamentável saudação exordial:
 
– “Bom dia (ou boa tarde ou boa noite) a TODOS E TODAS! (Ou A TODOS e A TODAS!)
 
Barbaridade! Por que isso?
 
Uma simples consulta ao dicionário esclareceria que TODOS é “pronome indefinido”, que significa “todas as pessoas; toda a gente; todo o mundo; o mundo inteiro” (Novo Dicionário Aurélio da Língua Portuguesa).
 
PRONTO! Quando alguém dirige a saudação a TODOS, as “TODAS” estão incluídas, pois o sentido é “todas as pessoas”!
 
Certamente as razões para essa forma esdrúxula de saudar são duas: a intenção – muito justa – de dar destaque às mulheres (o que começou com o presidente Sarney, saudando “brasileiros e brasileiras”...) e a confusão entre todo, todos como pronome indefinido e todo, todos como adjetivo (ou pronome adjetivo), nesse caso, flexionando-se e acompanhando o substantivo. Aí, sim, caberia dizer:
 
– “Bom dia a TODOS (OS) ADVOGADOS e A TODAS (AS) ADVOGADAS”!
 
Não faria sentido – nem seria eufônico (eufônico: “som agradável”, derivado de “eu” ou “ev” que significa “bom”; e “phoné” que equivale a “som”) – dizer, por exemplo:  
 
– “Bom dia a TODOS OS PRESENTES e A TODAS AS PRESENTES”...
 
Outra forma muito comum de se proceder ao contato inicial com o público é a já cansada expressão:
 
– “Para quem não me conhece, meu nome é Fulano de Tal”.
 
Parece tão perfeita que muitos comunicadores e palestrantes a usam. Afinal, ela é simpática e empática: facilita a interatividade, já que os ouvintes ficam, de imediato, sabendo o nome do orador! Entretanto, uma observação atenta, dará lugar a esta pergunta:
 
– “E para quem o conhece, como é seu nome? São dois: um para quem não o conhece e outro para quem o conhece?”
 
Aqui o que ocorreu foi uma “lacuna da comunicação”. Uma parte da mensagem ficou apenas “na intenção”, não chegando a ser proferida. Mas foi “captada” pelos receptores. Isso é muito comum no processo comunicacional brasileiro: nós falamos e entendemos nas entrelinhas... O que não acontece com nossos irmãos europeus. Aqui, se uma pessoa pergunta a outra: “O senhor sabe que horas são?”, a resposta, invariavelmente, será: “Sim, são onze horas”. Na Europa, a pessoa diria apenas: “Sim, sei”!
 
No caso da lacuna apontada acima, o que deixou de ser dito e que completaria a frase foi:
 
– “Para quem não me conhece, eu informo que  meu nome é Fulano de Tal!”

 
Por tudo isso, não se pode tratar displicentemente o momento de abertura de qualquer pronunciamento. Como já demonstrado por estudos especializados, “os primeiros 30 segundos de uma comunicação são fatais: se o comunicador não conseguir captar a atenção dos ouvintes nesse período, isso se tornará muito mais difícil e talvez impossível”!
 
Pense nisso. Mas, por favor, nunca comece saudando “todos e todas”!
 
 J. B. Oliveira

 
Consultor de Empresas, Professor Universitário, Advogado e Jornalista. É Autor do livro “Falar Bem é Bem Fácil”, e membro da Academia Cristã de Letras.
jboliveira@jbo.com.brwww.jboliveira.com.br
publicado por Henrique Salles da Fonseca às 09:56

mais sobre mim
Março 2010
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9





pesquisar
 
blogs SAPO